Escolha uma Página

Decidi ter um blog por pura diversão, comecei em 2011 quando queria contar para meus familiares sobre meu primeiro intercâmbio. Viajei pra Holanda e gostava de falar sobre minha vida em meio às tulipas e bicicletas 🙂 Nessa época nem pensava em monetizar (ganhar dinheiro com blog), muito menos vender alguma coisa ou trabalhar com redação pra web, como faço hoje. Fiz o blog usando a ferramenta mais óbvia pra mim na época: o Blogger, da Google. Não considero uma ferramenta ruim, afinal todo mundo começa de algum lugar e hoje tenho orgulho em dizer que já “bloguei” em duas plataformas diferentes!

O Blogger tem várias qualidades, como ser gratuito, fácil de usar e automaticamente integrado ao Google AdSense. Usar o blogger me ajudou muito no início, porque eu precisava entender minha linguagem primeiro, antes de pensar em tecnicalidades. Mas ao mesmo tempo ele tem várias limitações, que me fizeram optar pelo WordPress mais tarde. Conforme fui ganhando seguidores além da família e amigos, precisava de certos recursos que o Blogger não conseguia mais suprir. Optei pela migração da plataforma Blogger para WordPress porque queria deixar meu blog mais com “a minha cara”.

Transição do Blogger para o WordPress.org

Comecei tendo um WordPress.com, pois não entendia muito bem a diferença entre wordpress.com e wordpress.org. O primeiro é mais fácil de usar, não tem que comprar domínio, nem conhecer nada de html, atualiza automático, faz back up automático e várias outras coisas. Mas não dá pra personalizar, já que não permite plugins, o que dificulta muito a monetização. Logo percebi que era melhor partir para o WordPress.org, porque precisava muito deixar o blog com a minha cara e queria colocar Google Adsense. Voltando ao assunto Blogger X WordPress, na verdade foram vários motivos que me fizeram escolher o WordPress. Primeiro, no blogger você não consegue fazer upload de qualquer tipo de arquivo. Só é possível hospedar imagens e vídeos, que já é ok. Mas caso, você queira hospedar um e-book em PDF, por exemplo, teria que se virar usando outro site, ou sei lá o quê! Esse foi um motivo que me fez mudar pro WordPress.org: posso hospedar quase qualquer arquivo. Agora consigo fornecer e-books, planilhas de viagem e muitas outras coisas para os leitores do Virando Gringa 🙂

Outra coisa que me fez mudar pro WordPress foi a falta de um menu legal no Blogger, pois ele não permite classificar os posts em categorias, apenas em tags. Fui pro WordPress porque podia ter dois sistemas de organização para facilitar a vida do leitor. Posso fazer o menu do home baseado nas categorias e deixo as tags pra algo mais específico, ou posso combinar categorias e tags de um jeito diferente. Enfim é bom ter as duas coisas à disposição.

Além do que já contei, o WordPress na versão .org também facilitou pra que eu conseguisse personalizar o blog, porque eu fui aprendendo como adicionar plugins. O ultimato para usar o WordPress foi quando percebi que pessoas que eu admirava profissionalmente na blogosfera recomendavam WordPress, então eu também deveria ter um blog numa plataforma melhor. Foi lá pra 2014/2015 que comecei a profissionalizar o blog mesmo, fazer uma lista de seguidores, pensar em SEO, comprar um domínio, colocar anúncios, saber quantos acessos eu tenho, entre muitos outros detalhes.

Para facilitar a vida de quem quer se profissionalizar usando WordPress, nesse post vou falar sobre alguns dos melhores plugins para otimizar um site wordpressHoje em dia, a maioria dos interessados em ter um blog quer vender um produto, serviço, ou divulgar conteúdo. Seja qual for a finalidade do site, existe uma coisa em comum para qualquer pessoa: todos querem estar rankeados no topo, ou pelo menos na primeira página do Google. Pois é, duas grandes recomendações para alcançar isso são: um conteúdo de qualidade e um bom SEO. Por isso, o primeiro plugin essencial que vou recomendar é o rei da Search Engine Optimization.

Os plugins que mais me ajudaram a evoluir no WordPress

1 – Yoast SEO

O Yoast SEO é uma das melhores e mais populares ferramentas de SEO para blogs e sites no WordPress. É um plugin informativo, que funciona bem enquanto te ensina o básico. Ele ajuda o criador de conteúdo a focar em otimização de textos pra que sejam encontrados pelos leitores.

Com ele eu consigo otimizar textos para mecanismos de busca, ou seja, o plugin me mostra como ajudar os leitores a achar mais rápido o meu texto. Além disso, tem algumas ferramentas que aceleram o trabalho. Por exemplo, se um dia você precisar modificar títulos de vários posts de uma vez só, no Yoast é possível fazer uma lista de posts e alterá-los em grupo. Uma outra coisa boa do plugin é poder importar e exportar configurações que usava em outro plugin de SEO. Mais uma vez, eles tem como objetivo otimizar e acelerar processos.

Um terceiro serviço de destaque é o cálculo de SEO, onde é possível configurar uma palavra-chave para uma página do blog. O Yoast avalia quão propícia ela está para ser achada pelo Google, ou outros motores de busca. O plugin também classifica posts de forma visual, demonstrando quais estão mais propícios a serem rankeados pelo google, e quais precisam de melhorias. Existem três avaliações que o Yoast sinaliza para posts, baseadas nas três cores do logo do plugin, que é um semáforo: 

  • Se houver um ponto verde na lista de posts (representando o sinal verde do semáforo), então quer dizer que o site está amigável aos motores de busca. Ou seja a página contém poucos ou nenhum erro em relação a Search Engine Optimization.
  • Se o ponto for laranja quer dizer que tem uma quantidade de erros significativa e que o post precisa ser revisado.
  • O ponto vermelho já é óbvio: o post está com sério problemas. Pare, respire e comece de novo.
  • Ponto cinza: quer dizer que o Yoast não tem informações suficientes. Isso acontece, por exemplo, quando você não determinou nenhuma palavra-chave para o post.

2 – Jetpack

O Jetpack é um dos plugins mais versáteis e funcionais que eu já usei no WordPress. Foi um dos primeiros que baixei, porque faz quase tudo. Sozinho, consegue eliminar a necessidade de uma infinidade de outros plugins. Tem diversas funcionalidades como: estatísticas do blog, widget para o Twitter, encurtamento de endereços pelo wp.me, compartilhamento automático para diversas mídias sociais, verificação ortográfica (Português), colocar posts relacionados ao final de cada publicação e mais um monte. Ele tem outras coisas que nunca testei, mas oferece: proteção contra ataques, monitoramento de logins e autenticação de dois fatores de forma gratuita. Na versão paga é possível gerenciar até backup, restauração e migrações.

No fim das contas, o Jetpack é um plugin que agrega as necessidades mais populares do WordPress.com. Mas lembre de uma coisa: nem tudo é automático. Algumas ferramentas precisam de configuração, como por exemplo a ferramenta de tráfego. Ainda assim, vale muito a pena, são tantas ferramentas que você vai passar a vida descobrindo o Jetpack!

3 – Broken Link Checker

Precisei desse carinha porque alguns links se perderam durante a migração do blogger para o wordpress. Esse plugin monitora o site, procurando por links ‘quebrados’ nos posts. Links quebrados são aqueles que direcionam para um endereço que não existe mais. Isso pode acontecer por diversos motivos e com diversos tipos de publicação. Erros de direcionamento podem acontecer em posts, páginas, comentários, ou qualquer outro lugar passível de erro de configuração dentro do blog. Isso atrapalha a experiência do usuário e consequentemente pode prejudicar o rankeamento do site.

Por isso é importante ter um plugin pra monitorar isso pra você e garantir que o site está funcionando sem erros. O menu do plugin é muito auto explicativo e eles disponibilizam tutoriais gratuitos.

Além dos links quebrados, o plugin também identifica problemas de redirecionamento e imagens perdidas. A interface de usuário também é boa, pois você pode editar o link diretamente na ferramenta, sem precisar abrir o editor de post. Pra mim foi bom porque acelerou o processo de arrumar o blog depois que cometi um pequeno erro de migração.

4 – Smush Image Compression and Optimization

Eu nunca tinha parado pra pensar sobre o tamanho das minhas imagens, até que acabou o espaço no meu servidor. Pensei que isso nunca fosse acontecer, porque não tinha nem ideia do espaço disponível no servidor! Quem ativou meu wordpress.org foi uma colega que trabalhava com isso, então eu não tinha noção nenhuma. Colocava imagens enormes no blog, sendo que deveria tratá-las antes, para que ficassem menores mas com qualidade.

Depois desse problema, descobri que imagens gigantes prejudicam o servidor, pois vão ocupar todo o seu espaço, que poderia ser usado para funções melhores. Além disso, descobri que imagem maior não é sinônimo de imagem melhor. O excesso de mídias pesadas deixa o site lento, prejudicando também a experiência do usuário. Isso incomoda e afasta leitores, o que exatamente o contrário do que buscamos né? 

Foi aí que encontrei o Smush, ele é um dos plugins mais populares para os usuários do wordpress. Esse plugin automaticamente redimensiona, comprime imagens que estão no servidor para abrir espaço. Tudo que você precisa é especificar alguns detalhes e fazer a Compactação em massa!

O plugin analisa quantas imagens precisam ser compactadas, e quanto espaço você pode economizar. Você determina qual diretório será analisado, e pode mudar isso quantas vezes quiser. No plano pago, as opções são mais variadas para as mesmas funções, porém você pode escolher em maior nível de detalhe.

É importante sempre lembrar: não adianta confiar só no plugin. As imagens que você edita fora da plantaforma devem ser colocadas no blog com um tamanho já aceitável. Caso contrário não há plugin que vença!

5 – UpdraftPlus Backup and Restoration

Ninguém acha que vai ter problema que necessite de um backup, até que tenha. Não é querendo soar como pessimista, mas já soando: hardware pode falhar, alguém pode invadir seu site, ou você mesmo podem cometer um erro por distração e tirar o site do ar. Eu ainda estou aprendendo a configurar meu site sozinha, e muitas vezes invento de me aventurar e usar o editor de html. É melhor ter um back up para quando você quiser aprender também.

Tudo pode acontecer, e existe uma maneira muito simples e automática para não ter dor de cabeça com perda de dados: escolher um bom plugin de backup! É muito importante ter uma rotina de backup programada, de modo que você possa restaurar o seu site a qualquer momento.

O Updraft é um dos plugins mais completos em matéria de backup e restauração. Ele permite que você configure o agendamento periódico de backup automático, enviando o arquivo diretamente para sua conta no Dropbox ou Google Drive, entre outras opções de nuvem. A versão gratuita já é boa e a versão paga tem features a mais (como sempre).

Por exemplo, a versão paga permite que você duplique e faça migração de um site de forma simples. Além disso a empresa tem um time de suporte presente e eficiente que tira suas dúvidas rapidinho, mesmo no modo free!

6 – Bottom of every post

A marca deste plugin é a facildade e a simplicidade de uso. Segundo o criador, este plugin foi criado porque os outros eram muito complexos. Rápido de configurar, simples de usar, se você souber um pouquinho de html (que não é difícil de aprender pelo Google ou pelo Youtube).

Você consegue configurar mensagens que aparecem no final de todos os posts do seu site, assim não precisa ficar escrevendo a mesma coisa cada vez que vai contar algo pros seus leitores 🙂 É bom pra adicionar call-to-action e anúncios, ou indicar pra posts que abrangem conteúdos-chave do seu blog. No meu caso coloco sempre uma call-to-action (aquele convite pro leitor fazer algo, continuar no seu site, se inscrever no seu canal e coisas do tipo), é bom pra ficar automatizado e poupar tempo e energia. Assim sobra pra escrever mais posts!

Espero que as sugestões tenham sido úteis. Tem dúvidas ou sugestões? Deixe um comentário!

Share This